Pesquisar este blog

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Segunda elegia































o homem perturbado
dialoga com a vida
e há quem diga
que é um baseado
ou que é heroína
mas ele encena
a luta diária
de se dar por nada, na perda
no movimento do outros.

o homem entende
com seus olhos invertidos
vê o que ninguém mais consegue
enxuga seus lábios tardios
enfastiados de agonia
para tentar ser feliz
vomita Euclides da Cunha
e drogas ilícitas
para se livrar das grades.

o homem interna-se
só há grades nos outros
no mundo e em si
no retrair do músculo
na tensa paz vazia
nas ocupações diárias
tenta ser livre
e solta seu verbo
na Jaceguaí.

o homem olha-se
e não vê-se completo
vê-se coagido e liberto
e dança parado
com a fumaça do fumo
e se vai com ela
como se fosse o único
a ver, a sentir, amar e perder
tudo que desejou na vida.

2 comentários:

Rúbia disse...

E por isso se come Euclides, depois vomita. E por isso se violenta Clarice e a rejeita em seguida... por causa do homem!!! Rs...resultado>>> ANTROPOLOGIA.

Analuka disse...

Belos e intensos, imagem e poema! Parabéns a ambos. E beijos, pintados.