Pesquisar este blog

segunda-feira, 5 de julho de 2010

hera



















de lábio em lábio
minha amada Agatha
está morando,
na longínqua lenda
dos ardis

ela me escapa entre as pernas
volta para cá em pensamento
ela a julgar-me alguma deusa
eu a julgá-la incerta musa

eu canto a chamar-lhe pura elegia
e como Lídia resplandece em culto
ao sol se pôr já é Sara

e quando lua brilha nos olhos
de Marias de dedos de moças
como Rosas rubras escandidas
em meio às estrelas que rodeiam

e então derrama a sua luz feito
tantas outras Amélias, Anas,
Camélias suaves em Aurora-Flor.

Um comentário:

Analuka disse...

Fantástica afinação entre esta foto e este poema, adorável e vibrante sintonia! Parabéns, Sindri e Larissa. Beijos pintados, alados e lilases.