Pesquisar este blog

quinta-feira, 17 de março de 2011

paraísos artificiais




seus olhos ficaram opacos, já não cintilam mais. por certo os paraísos criaram nódoas, as flores murcharam, as folhas caíram. o som solto de seu sorriso não ecoa mais. tudo é silêncio diluído em solidão.
quem sabe daqui há uma centena de anos encontrem um fóssil sorridente e mesmo que não se perpetue essa boca, que fiquem os dentes.
talvez encontrem o corpo preso em âmbar, cheio de ânsias e desilusões e deixem-no descansar, enfim.





performance de Nayra Carvalho
e parceria na arte visual com Krista Yorbyck

2 comentários:

Sindri disse...

é perfeito Tangerina, as inspiracoes que assustam sentaram do teu lado, nada disseram, e tu compreendeu, seguramente.

Larissa Marques disse...

sim, eu sei que sentam...
beijo, querido!