Pesquisar este blog

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

odalisca carmim

























é mentira o que ela sempre diz
sua cintura me convence
do amor colhido como cinturões
na via láctea de seus extremos
brotado do cheiro que exala

é amor sacode-me o ventre
acompanha a curva de seu úbere
onde os homens se agarram
e findam na ânsia
do pesar irônico

seus colares chocalham nervosos
parecem âncoras nesse mar revolto
mas não passam de embustes
que puxam para o fundo
e só reforçam o caos
entregando-se a todos os olhos

deveria ela dizer
que anseia-me náufrago
suas águas querem meu pulmão
nela sou ínfimo horizonte
apenas uma miragem distante
nem céu enfeitiçado
ou água salgada

sou a insatisfação.

Um comentário:

Analuka disse...

Adorei as cores e o visual vibrante! Deliciosa combinação de delicadeza e sensualidade. Beijinhos alados!