Pesquisar este blog

terça-feira, 21 de setembro de 2010

subsolo

























cada segundo descansa sob
as horas cativas e inertes
fazem-me fórceps e vértice
na intenção de ser

ah, belo desmundo de não-ser
é tão leve e oportuno
quase um endeusamento
do inexistir

sangria doce e mal cheirosa
que vinga a culpa na carne
desonra a palavra e não cala
apenas exala o cheiro do sonho
de não ser

atrevi-me a entrar em teu mundo
que declinou-se no meu
verde e vertido no soco seco
da vasta invenção de ser

Um comentário:

Bendito Drink POP disse...

essa eu chorei, saudades de preta, e que linda foto! e que poema, demais, meu Deus!